Divisão de tarefas

Publicado em Cotidiano, Morando Junto
Divisão de tarefas

Eu queria começar esse post sendo muito honesta com vocês e é isso que eu vou fazer, doa a quem doer. Antes de sentar pra escrever sobre morar junto e divisão de tarefas, eu fui fazer pesquisas em outros blogs pra saber o que as pessoas já tinham falado sobre isso, como tinha sido a experiência delas e quais eram as dicas pra quem está pensando em seguir o mesmo caminho. Foi doloroso, mas com isso eu comprovei o que contei pra vocês nesse post aqui ó. A gente fez tudo errado mesmo e a nossa vida não faz o menor sentido.

É claro que eu não quero que você saia correndo daqui e vá ler posts sensatos como este do Papo de Homem e esse aqui do Casal Sem Vergonha, mas sou obrigada a te alertar: o que eu vou contar sobre divisão de tarefas vai ser o oposto de tudo que você já leu e eu vou confundir sua cabeça. Embora fuja dos padrões que a gente encontra por aí, o caminho que escolhemos funciona muito bem pra gente e eu me sinto na obrigação de compartilhar isso com todo mundo.

Começo quebrando um dos maiores ensinamentos. Aqui em casa nós não temos uma divisão de tarefas e isso deixa tudo mais simples. As pessoas resolvem criar essa lista de obrigações logo de cara e esse é um erro gravíssimo. A animação do começo em deixar a casa arrumada vai passar bem rápido e vocês vão descobrir que odeiam fazer mais da metade das coisas que se propuseram. Esse é um fato indiscutível.

Se existe uma coisa importante nessa vida de casal amador, isso é: respeite a bagunça alheia. Óbvio que não dá pra deixar a outra pessoa dominar tudo e virar a casa do avesso, mas dá pra respeitar o jeito que ele ou ela tem de se organizar, de não se organizar, de fazer as atividades, etc. Aos poucos vocês vão se conhecendo melhor nesse sentido e vai rolar uma adaptação. Conversar sobre o que é importante pra você é necessário, mas impor regras não é um caminho muito saudável. Se depois disso vocês perceberem que vão funcionar melhor fazendo aquela listinha, agora é a hora de parar e decidir, baseado no convívio e personalidade de cada um, quais são as atividades necessárias e quem é que vai fazer cada uma delas.

A gente nunca tentou definir as obrigações. Nossas bagunças são muito parecidas e a falta de vontade de fazer alguma coisa pra arrumar também. E é por isso que nossa casa está sempre (quase sempre) arrumada. Sabemos bem que não tem ninguém aqui pra arremessar um chinelo na nossa fuça caso tenha louça na pia ou se tiver roupa jogada na sala. Mas se o outro não ligou e não arrumou, a probabilidade de aquilo ficar lá por muito tempo é grande, então nós fazemos. Deu pra entender? Não existe uma imposição. Aqui é tudo na base do bom senso e de muita conversa.

Nesses meses morando junto, nós descobrimos que pedir ajuda é um exercício muito bom. Além de ter o auxílio que a gente precisa, criamos uma parceria que não existia antes e que é bem importante. Quando a gente conhece as necessidades de quem a gente ama, descobrimos que ceder e fazer coisas que muitas vezes não nos agradam é uma prova de amor enorme.

Nós decidimos não fazer uma divisão de tarefas e com isso aprendemos que tudo tem o seu tempo, que o esforço do outro tem que ser reconhecido e que ninguém nunca vai adivinhar o que você precisa, então peça e receba essa ajuda com carinho.

Nosso jeito pode não funcionar no seu caso e isso é completamente aceitável. O que eu posso sugerir é que você crie a sua própria maneira de lidar com as situações. Pegue as dicas que você acha que poderiam te ajudar e adapte. As pessoas são diferentes e os relacionamentos também, a única coisa que não muda é que o respeito e a comunicação são pontos importantes em todas as relações. Boa sorte!

2 thoughts on “Divisão de tarefas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *