Não deixe seu relacionamento pra depois

Publicado em Cotidiano
Não deixe seu relacionamento pra depois

Quando a gente é adolescente e não é muito popular na escola, como era o meu caso, tentamos errar o mínimo possível. Primeiro porque não temos muitas chances, e segundo porque ninguém quer passar vergonha nessa fase, muito menos num relacionamento. E o que tem de mal nisso?

Bom, existe um problema sutil em tentar se livrar das consequências negativas, evitando aquilo que precisa ser feito. E o problema é justamente que um dia você vai precisar enfrentar a situação e não vai saber como. No caso de um relacionamento, pode até parecer inteligente não se envolver com outra pessoa se você não se sente preparado, mas isso nem sempre é uma boa ideia.

Eu sei que é muito doloroso passar por uma desilusão amorosa (inclusive escrevi um post sobre isso e você pode ler aqui), principalmente quando você tem 13 anos e não sabe lidar muito bem com os sentimentos (não que eu saiba alguma coisa agora). Mas eu garanto pra você que é melhor errar e aprender com os erros o quanto antes, ao invés de ir deixando tudo pra depois. Se você já não tem mais 13 anos, mas ainda tá enrolando pra se envolver seriamente num relacionamento porque tem medo de errar, ainda dá tempo de pensar diferente e dar a cara a tapa! A desilusão amorosa é como catapora: quando você é novo, é natural e todo mundo vai entender, mas se você pegar catapora quando for adulto, você vai se sentir muito pior com isso.

Tive poucos relacionamentos na minha vida, mas se tem uma coisa que eu aprendi é que só os seus próprios erros vão te fazer amadurecer. Você pode ler o quanto quiser sobre o assunto, observar e refletir sobre as experiências das outras pessoas e pode até mesmo saber aconselhar muito bem aquele amigo que está passando por uma frustração. Mas você só vai, de fato, adquirir mais maturidade quando tiver a sua própria bagagem de erros e acertos.

Não deixe seu relacionamento pra depois. Aliás, não deixe nenhuma outra coisa pra depois, mesmo se estiver com medo. Se você estiver com vontade de experimentar, confie em você mesmo e faça com responsabilidade. Você vai agradecer depois por ter errado o quanto antes.

A desilusão amorosa não vai te matar

Publicado em Cotidiano, Crônicas
A desilusão amorosa não vai te matarA desilusão amorosa não vai te matar

Vivemos de expectativas num mundo de impermanências. Se percebêssemos o quanto as coisas ao nosso redor mudam de um segundo para o outro, talvez aceitaríamos mais facilmente que elas nunca serão do jeito que a gente quer que sejam – pelo menos não para sempre. E a desilusão amorosa com certeza faz parte desse pacote de expectativas frustradas. Mas você vai sobreviver, acredite.

É duro mesmo criar um universo de expectativas em nossas cabeças e, de um dia para o outro, todo esse mundo que construímos desmoronar. Às vezes, as outras pessoas têm certo grau de irresponsabilidade em seus atos, mas na maioria das vezes a culpa é exclusiva da nossa própria mente. E aí, quando o amor é interrompido, fatidicamente virão os dias de filmes e músicas tristes, potes de sorvete de colherada e de ligações de desabafo para a(o) melhor amiga(o).

Sim, a gente cai desse cavalo chamado vida o tempo todo. Mas o que fazer quando a desilusão amorosa está nos corroendo por dentro a ponto de prejudicar a nossa autoestima e tornar mesmo o dia mais bonito uma cena de um filme triste? Bom, primeiro temos que aprender a andar de cavalo.

Pare de achar que você não será feliz nessa vida e que ninguém te quer. Quer você acredite em Deus ou em destino, não é mentira que “tudo tem seu tempo”. E você não pode desperdiçar os seus dias alimentando expectativas mortas. Aprenda a lidar com a sua mente auto-sabotadora e perceba qual o tipo de esperança que vai te empurrar para frente e qual o outro tipo de esperança que vai segurar você, e quem sabe até te afundar.

As desilusões – não só as amorosas – não servem apenas para fazer você sofrer. Se você souber aproveitá-las, elas vão ser as ferramentas ideais da vida para que você desenvolva as melhores qualidades: paciência, sabedoria e maturidade.

Se pela milésima vez, você estava com alguém que te dispensou inesperadamente ou se está tentando atrair a atenção de alguém que não te dá bola, isso ainda não será o fim do mundo. Na verdade, será a oportunidade do seu próprio recomeço.

Outras crônicas

Há dias em que chorar faz bem
Quando eu aprendi a amar