Quando eu aprendi a amar

Publicado em Cotidiano, Crônicas
Quando aprendi a amar

Há alguns anos, eu vivi um período de muita dor. Achei que iria enlouquecer ou sofrer um dano irreparável, mas consegui escapar. Não saí ileso, mas saí mais forte. Transformei a dor em um professor, que me ensinou a lutar todos os dias contra aquilo que é mais difícil de superar: os próprios pensamentos.

Ainda tendo me fortalecido, sentia-me fraco, como alguém que nadou por dias e venceu o oceano, mas chegou exausto na praia. Eu estava exausto de dizer para mim mesmo: você consegue, continua tentando que vai passar. Eu só queria não precisar me preocupar, queria poder acordar e ir dormir com a cabeça tranquila, sem medos constantes de me olhar no espelho e ver uma face pálida, sem vontade alguma de sair da cama.

Hoje, no entanto, mais me orgulho do que me envergonho pelo que passei. O que precisamos, na maioria das vezes, é de tempo para nos perdoar. Entender que os erros precisam ser refletidos, mas que também precisam ser aceitados. Aceitar um erro não é permitir que ele volte a acontecer, mas é permitir se sentir humano. Hoje tenho orgulho das cicatrizes que acumulo, ainda que eu não faça questão de expô-las a todo instante.

Entre dores e cicatrizes, eu aprendi a amar. Tenho comigo a pessoa mais especial que a vida poderia colocar ao meu lado; uma mulher que vai passar todos os dias sendo o motivo principal das minhas alegrias, a razão de abrir os olhos de manhã e me sentir completo. Também aprendi a amar tudo e todos que me rodeiam. É difícil, eu sei, mas para que a nossa experiência na Terra seja bem aproveitada, o primeiro passo é amar incondicionalmente. Amar as pessoas, que estão passando por dificuldades internas e externas tão complicadas quanto as nossas, e amar os animais e todos os seres que dividem esse planeta conosco. Precisamos amar quem está perto de nós e ter compaixão por quem está longe e nunca vamos conhecer de fato. O amor é tão importante para quem ama quanto para quem é amado.

Eu tentei aprender a amar por muito tempo, mas percebi que só se aprende quando, ironicamente, se desiste de tentar. Quando eu aprendi a amar a mim mesmo, percebi que o sentimento do amor só nos preenche por completo quando desistimos de parecer melhores do que somos. O amor que aprendi a sentir por mim mesmo veio puramente pela vontade de viver aceitando que não sou perfeito, que vou ter dificuldades em muitas coisas, mas que também terei facilidades em outras. Quando o peso do mundo escorregou das minhas costas, me olhar no espelho deixou de ser um fardo – passou a ser um alívio, motivo de riso despretensioso.

Aprender a amar é importante para o processo de não se levar tão a sério. E vice-versa.

Se precisar passar por isso, passe. Será gratificante.

Outras crônicas

O mundo acaba hoje e você ainda não fez nada
Que o amor verdadeiro lhe pregue peças

O mundo acaba hoje e você ainda não fez nada

Publicado em Cotidiano, Crônicas
O mundo acaba hoje

O mundo acaba hoje, certo? É o que estão dizendo por aí nas redes sociais, segundo mais uma profecia apocalíptica que viralizou na internet. Pelo menos até agora o mundo ainda não acabou, mas até meia-noite, quem sabe. Tem momentos em que torço para que não aconteça uma desgraça gigantesca que transforme esse planeta tão gigante – e ao mesmo tempo tão pequeno – em um monte de pó. Mas também há momentos em que eu quero que tudo vá pelos ares mesmo. Literalmente, que se exploda!

Caso o mundo esteja chegando ao seu fim nas próximas horas (e esse texto torne-se uma carta de despedida da humanidade), sinto lhe dizer que você ainda não fez nada. Ou vai dizer que fez? Eu sei que dá um nó na garganta só de pensar nisso, mas a notícia boa é que ainda dá tempo de recuperar um pouco do tempo perdido. Afinal, é melhor fazer nos seus últimos instantes algo que valha a pena do que continuar esperando a hora passar.

Quando foi a última vez em que você disse “eu te amo” para quem você ama? Quando foi que pediu perdão a quem magoou e sentiu-se sem o peso nas costas que a angústia causa? Você tem visto ou falado com todas as pessoas que são importantes para você? Talvez você morra hoje e ainda não percebeu que você deve amar as pessoas e usar as coisas, não o contrário.

Vai lá, aproveita pra viver o carpe diem da forma mais real e intensa: viva hoje como se realmente fosse o último dia da sua vida. Faça telefonemas, sorria para os amigos, divirta-se com sua família, brinque com o seu animal de estimação. Comece a realizar os seus sonhos. Ainda que não dê tempo de terminar tudo o que você pretende alcançar na vida, não há sensação melhor do que vencer a procrastinação e tirar aquele projeto da gaveta que um dia te falaram que era melhor você desistir.

Sonhe, pois o mundo acaba hoje. Pense em tudo o que você fez de bom no mundo desde que nasceu, mas lembre-se também do que fez de ruim – não precisa se culpar por isso, mas pense em como você teria feito tudo diferente se tivesse outra chance.

Apesar do alvoroço, eu acredito que o mundo não acaba hoje. Pelos históricos das profecias, a gente sabe que elas não têm muita credibilidade. Porém, para milhares de pessoas no mundo, hoje é o último dia, estejam elas cientes disso ou não.

Não espere que o seu último dia também chegue para fazer tudo aquilo que deixou para trás.

O mundo acaba hoje. Mas ele volta amanhã.

Outras crônicas

Que o amor verdadeiro lhe pregue peças
A felicidade que tanto procurei

Que o amor verdadeiro lhe pregue peças

Publicado em Cotidiano, Crônicas
Que o amor verdadeiro lhe pregue peças

Nem sempre o que se espera é o que acontece. Ainda bem! Ainda bem que o amor e a felicidade são imprevisíveis e gostam de nos surpreender. Se a dor e a tristeza têm a liberdade de nos pegar de surpresa, por que não o amor?

Espero que o amor verdadeiro lhe pregue peças. Aquele que não for verdadeiro não vai sequer ter tempo de tentar, porque morrerá antes mesmo de ter início. O amor real, no entanto, estará contigo sem que você saiba – sem que você nem imagine que os dias de solidão estão para ter fim. Se bater a tristeza, seja paciente, pois algo incrível está por vir.

Quando menos esperar, estará sorrindo gratuitamente, simplesmente por estar amando. Os dias serão mais leves, a disposição aumentará. De fato, o amor não lhe traz apenas uma pessoa especial, mas também um ângulo mais otimista das coisas pequenas da vida.

É natural nos prepararmos muito para receber alguém que nos acompanhe. Não queremos expor os nossos defeitos, nem queremos mais sofrer. Mas é necessário permitir que o novo invada as nossas vidas, se vier por boas intenções. Lembre-se que o amor para a vida toda já foi uma pessoa desconhecida um dia, então não espere para ser feliz. Seja.

Que o amor verdadeiro lhe pregue peças e proponha desafios. Que faça você acordar cedo, mesmo tendo dormido pouco, para preparar um café da manhã inesperado e levar na cama. Que venha acompanhado de maturidade, de carinho e de bons sentimentos. Que surpreenda o rancor e o substitua por gratidão.

Que a maior peça pregada pelo amor verdadeiro seja a esperança de dias melhores. Ainda que pareça que demore a chegar, a felicidade está na porta adiante.

Abra as portas, escancare as janelas. Afinal, você merece todas as surpresas boas.

Outras crônicas

A felicidade que tanto procurei
Onde quero estar daqui 5 anos?


Não perca o nosso Guia Prático Para Casais Modernos!