Um dia de trabalho com a gente – Ensaio fotográfico na praia

Publicado em Cotidiano
Ensaio fotográfico na praia - Sura

No último domingo, fomos para o litoral do Paraná – mais especificamente para a Praia de Leste e Matinhos – fazer um ensaio fotográfico para o lançamento da marca de roupas Sura e sua coleção de estreia. A marca tem como foco representar o lifestyle de quem pratica surf, montanhismo, camping e outras atividades ao ar livre.

O ensaio fotográfico na praia foi uma escolha para que conseguíssemos retratar com fidelidade a identidade da marca, buscando encontrar o limiar entre o comercial e o despretensioso. A fim de criar uma afinidade da Sura com o público, o ensaio contou com elementos de praia e surfe, além de modelos que realmente vivem esse lifestyle.

Veja algumas fotos dos bastidores:Making of - Sura

Making of - Sura

Making of - Sura

Making of - Sura

O resultado do ensaio

Apesar do frio, o dia colaborou com um sol fraco, mas suficiente para as fotos. Conseguimos fazer fotos espontâneas e que retrataram o momento de sintonia entre as pessoas e a natureza.

Para a edição de um ensaio fotográfico na praia, pensamos em trabalhar com referências californianas e que remetessem à personalidade da marca. Tentamos deixar o clima um pouco mais quente, usando cores mais fortes, mas sem que perdesse a essência do clima real.

Confira o resultado final abaixo:

Ensaio fotográfico na praia - Sura

Ensaio fotográfico na praia - Sura

Ensaio fotográfico na praia - Sura

Ensaio fotográfico na praia - Sura

Dá uma olhada também nessa comparação da foto final com o making of! A edição realmente faz muita diferença, né?

Ensaio fotográfico na praia - Sura

Se você quiser conhecer mais sobre a marca e ver outras fotos, você pode curtir a fanpage da Sura clicando aqui. E se quiser ver mais trabalhos nossos, clica aqui pra acessar e curtir a nossa fanpage de fotografia.

 

O que eu gostaria de ter dito ao meu pai

Publicado em Cotidiano
Eu e meu pai

Semana passada, assistimos o filme 50/50. Depois de muitas lágrimas derramadas por mim e pela Bia, eu cheguei a duas conclusões assim que o filme acabou:

  1. O Joseph Gordon-Levitt é a personificação da tristeza. Desde 500 Dias com Ela, ele já mostrava seu talento com personagens niilistas/depressivos.
  2. Preciso lembrar de nunca mais assistir filmes que tenham câncer como tema central.

Para quem não sabe, perdi meu pai quando eu tinha 20 anos – ele faleceu devido a complicações de um câncer na boca, que acabou se tornando metástase (o tumor se espalhou por outras áreas do corpo). Nesse mês, no dia 23, faz cinco anos que ele morreu. E todos os dias, principalmente quando assisto ou leio histórias de pessoas com doenças terminais, fico pensando que mais difícil do que a morte em si, é a espera pela morte; seja da pessoa doente ou daquelas que estão ao seu redor. Foram seis meses, entre a descoberta do tumor e o falecimento, que eu passei tendo muitas conversas e momentos com ele que nunca vou esquecer, mas ainda assim havia muitas coisas que eu gostaria de ter dito ao meu pai.

A primeira delas com certeza seria dizer o quanto eu o amo. Claro que eu já tinha falado isso muitas vezes, mas ainda era menos do que eu gostaria. E mais do que simplesmente dizer “eu te amo“, eu gostaria que ele soubesse o quanto isso é grande e verdadeiro. Meu pai tinha defeitos como qualquer outro ser humano, mas ele era uma ótima pessoa e precisava se sentir amado. E eu o amo muito.

Não é algo que eu pudesse ter dito, mas outra coisa que eu gostaria de ter feito mais com o “Seu Arildo” era ter tirado fotos. Passei por uma fase na adolescência me sentindo péssimo com minha aparência, principalmente por ter dobrado de peso em poucos anos. Isso fez com que eu tivesse muita vergonha de sair em fotos, inclusive com minha família. Hoje guardo poucos registros ao lado do meu velho, mas se eu pudesse voltar atrás, tiraria uma foto por dia.

Eu teria, também, conversado mais com meu pai. Eu teria dito tudo o que eu penso sobre a vida, quais eram os meus planos para o futuro, quais os meus medos e anseios, o que acho das pessoas, o que penso sobre a morte. Nos seis meses de luta contra o câncer, eu perguntaria se ele tinha medo, do quê tinha medo, se estava preparado para o que quer que acontecesse, se ele se arrependia de algo na vida. Basicamente, eu teria tido meu pai mais perto, compartilharia segredos e dúvidas, seria o seu melhor amigo.

Acredito que fui um bom filho para ele, como ele foi um pai muito bom para mim – esforçado em sempre dar o melhor de si e muito amoroso. Hoje, vivendo meus 25, tenho sempre em mente tudo o que ele me ensinou e tento reproduzir isso no relacionamento que tenho com a Bia, com minha mãe, irmãs e sobrinhas. Tento aproveitar cada momento com as pessoas que amo, ainda que eu não saiba muito bem como expressar tudo o que sinto. Imagino que realmente amanhã alguém muito próximo pode acabar indo embora antes mesmo de dar tempo de me despedir, então vivo como se cada dia fosse o último.

É um pouco clichê, eu sei, mas eu prefiro acreditar e pensar assim. Hoje é a saudade que me acompanha, mas é justamente ela que mantém o meu pai mais vivo do que antes.

Fotografia como turismo em Curitiba

Publicado em Cotidiano
Fotografia como turismo em Curitiba

Desde que nos mudamos pra cá, a gente tem se dedicado muito em trabalhar com fotografia. Com alguns investimentos em equipamentos, cursos e muita prática, estamos cada vez mais empenhados em oferecer um trabalho bem legal para os clientes e satisfatório pra nós também. Somando o fato da mudança de cidade com os ensaios fotográficos, surgiu a possibilidade da fotografia como turismo em Curitiba, unindo o útil ao agradável.

Curitiba é uma capital muito bonita, com dezenas de pontos turísticos. Além do próprio frio ser algo a se admirar (ou não), o que não faltam são lugares incríveis pra conhecer e, por que não, fotografar.

Jardim Botânico

É claro que o primeiro ponto turístico que eu preciso citar é o Jardim Botânico de Curitiba. Famosa internacionalmente, a estufa do jardim/parque é o cartão postal da cidade e é por isso que muita gente faz questão de fazer ensaios fotográficos lá! Mas se você está pensando em fotografar num sábado ou domingo, vá bem cedo pra garantir um lugar. Isso mesmo, os espaços são concorridos no jardim! Num sábado de manhã, por exemplo, são tantos ensaios de gestantes, casais e newborns acontecendo, que fica difícil achar um lugar fotogênico sem competição de espaços. A foto abaixo (e todas as outras desse post) foi tirada por nós num dos nossos trabalhos.

Fotografia como turismo em Curitiba - Jardim Botânico

Bosque Alemão

Construído no século XIX pelos imigrantes alemães que moram na cidade, para homenagear sua cultura e tradições, o Bosque Alemão é com certeza um dos lugares mais belos de Curitiba. Formado pelo Oratório Bach, A Torre dos Filósofos e a Trilha João e Maria (além de uma biblioteca infantil e uma praça), fica fácil fazer boas fotos no Bosque, qualquer que seja o clima. Falo isso justamente por termos feito um ensaio embaixo de chuva mesmo, com direito a guarda-chuva e fotógrafo ensopado! Haha!

Fotografia como turismo em Curitiba - Bosque Alemão

Unilivre

A Universidade Livre do Meio-Ambiente fica meio afastada dos outros pontos turísticos, numa entradinha que nem mesmo todos os curitibanos conhecem. Mas graças à fotografia, foi mais um ambiente maravilhoso que pudemos conhecer e registrar. Apesar dos insetos que deixaram a gente inchados de tantas picadas, a vista para uma das maiores pedreiras da cidade é magnífica. Se você estiver em Curitiba, sem dúvida é um dos pontos turísticos que vai precisar conhecer. Seja com uma câmera profissional ou um celular, qualquer foto fica ótima!

Fotografia como turismo em Curitiba - Unilivre

Parque Tanguá

Esse parque tem o melhor pôr-do-sol que você vai ver na vida. Assim que você o vê de longe, a arquitetura do parque e suas fontes já rendem ótimos cliques, mas é lá embaixo, atrás da pedreira, onde estão os melhores espaços. Seja para fazer um piquenique ou uma caminhada, o Parque Tanguá é muito agradável pra passar o dia. E, é claro, pra fotografar também!

Fotografia como turismo em Curitiba - Parque Tanguá

Ópera de Arame

Um dos ensaios mais interessantes e satisfatórios de fazer foi na Ópera de Arame, pelo conceito do balé que clicamos e a estrutura que o local proporciona. Mesclando os cenários externos – também fotografamos na rua – com a beleza da Ópera (formada pelo auditório, uma passarela, um lago e uma cascata artificial), o resultado ficou melhor do que esperávamos! Se você quiser assistir a um espetáculo lá ou até mesmo um show na Pedreira Paulo Leminski, esse também é um dos pontos turísticos indispensáveis da cidade!

Fotografia como turismo em Curitiba - Ópera de Arame

Fotografia como turismo em Curitiba tem sido uma de nossas atividades preferidas! Gostou das nossas fotos? Dá uma olhada aqui na nossa fanpage no Facebook, lá tem todos os nossos trabalhos. Aproveita e deixa o seu like!